quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

cumprir o cumprimento

O pessoal das aldeias é que sabe. Cumprimenta-se as pessoas quando se cruzam; mesmo que não se conheçam. É delicioso dizer “boa tarde” daquela maneira. Tirar o chapéu já não se usa, mas parece que o fazemos. Na cidade, não cumprimentamos todas as pessoas com que nos cruzamos, só mesmo os conhecidos. O irónico, é que os cumprimentos que utilizamos são fracos; já não têm aquela riqueza como o “ora bom dia” ou “como vai?” não. Quando vejo um conhecido na rua digo simplesmente “então?” então? Então o quê? Não sei, mas é o que digo; e respondem-me o seguinte “’tá tudo!” tudo? O mais ridículo de todos é quando nos deparamos com alguém que não víamos há bastante tempo “olha quem é ele!” este cumprimento em forma de afirmação não tem sentido; parece que estamos a falar com um público imaginário e somos um apresentador de um programa de variedades na TVI. E é perfeitamente normal, encontrarmos um antigo colega e dizer isto tudo de rajada: “Olha quem é ele! Então? ´tá tudo?” é triste não é? Eu vou começar a utilizar os cumprimentos clássicos, são mais humanos. Tenho dois preferidos o versátil “Boas!” e o espampanante “Viva!”

1 comentário:

Hugo disse...

Ora viva! Como vai tudo aí pelo Céu?
Muitas saudades por aqui...
Temos de tomar um copo um dia destes.
Grande abraço